Translate

segunda-feira, 25 de julho de 2016

PA RA DO XO, Palavra que me Fascina e Intriga.

"Quando depender de vós, tende paz com todos. (Bíblia, romanos 12, verso 18).

Diante desse verso bíblico eu fico completamente presa ao termo, pois  em mim, ainda que haja guerra dentro, busco a paz com os que vivem ao meu redor. Minhas batalhas interior são resultado do desejo de amadurecer e evoluir, porém o meu degrau nunca é o mesmo que os demais, pois cada um amadurece a seu tempo e modo. Mas se fora há os que me contradigam guerreando até com palavras e atos, dentro em mim, eu tenho profunda paz por ter a certeza de meus atos.  

Paradoxo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.https://pt.wikipedia.org/wiki/Paradoxo
Disambig grey.svg Nota: Para a figura de estilo, veja Paradoxo (figura de estilo).
O copo com autofluxo de Robert Boyle preenche a si próprio neste diagrama, mas máquinas de moto-contínuo não existem
Um paradoxo é uma declaração aparentemente verdadeira que leva a uma contradição lógica, ou a uma situação que contradiz a intuição comum. Em termos simples, um paradoxo é "o oposto do que alguém pensa ser a verdade". A identificação de um paradoxo baseado em conceitos aparentemente simples e racionais tem, por vezes, auxiliado significativamente o progresso da ciênciafilosofia ematemática.
etimologia da palavra paradoxo pode ser traçada a textos que remontam à aurora da Renascença, um período de acelerado pensamento científico na Europa e Ásia que começou por volta do ano de 1500. As primeiras formas da palavra tiveram por base a palavra latina paradoxum, mas também são encontradas em textos em grego como paradoxon (entretanto, o latim é fortemente derivado do alfabeto grego e, além do mais, o português é também derivado do latim romano, com a adição das letras "J" e "U"). A palavra é composta do prefixo para-, que quer dizer "contrário a", "alterado" ou "oposto de", conjugada com o sufixo nominal doxa, que quer dizer opinião. Compare com ortodoxia e heterodoxo.
Na filosofia moral, o paradoxo tem um papel central nos debates sobre ética. Por exemplo, a admoestação ética para "amar o seu próximo" não apenas contrasta, mas está em contradição com um "próximo" armado tentando ativamente matar você: se ele é bem sucedido, você não será capaz de amá-lo. Mas atacá-lo preemptivamente ou restringi-lo não é usualmente entendido como algo amoroso. Isso pode ser considerado um dilema ético. Outro exemplo é o conflito entre a injunção contra roubar e o cuidado para com a família que depende do roubo para sobreviver.
Deve ser notado que muitos paradoxos dependem de uma suposição essencial: que a linguagem (falada, visual ou matemática) modela de forma acurada a realidade que descreve. Em física quântica, muitos comportamentos paradoxais podem ser observados (o princípio da incerteza de Heisenberg, por exemplo) e alguns já foram atribuídos ocasionalmente às limitações inerentes da linguagem e dos modelos científicos. Alfred Korzybski, que fundou o estudo da Semântica Geral, resume o conceito simplesmente declarando que, "O mapa não é o território". Um exemplo comum das limitações da linguagem são algumas formas do verbo "ser". "Ser" não é definido claramente (a área de estudos filosóficos chamada ontologia ainda não produziu um significado concreto) e assim se uma declaração incluir "ser" com um elemento essencial, ela pode estar sujeita a paradoxos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Palavras são sementes. (Al-Kantara)